Procedimentos


Pequenas cirurgias

Tumores Cutâneos

Os tumores podem ser benignos ou malignos. Entre os variados tumores benignos, os mais conhecidos são os queloides, lipomas, cistos, neuromas, nevos, siringomas, leiomiomas e hemangiomas.

 

O que pode ser feito?

Existem diversos tratamentos para eliminar os tumores cutâneos. O objetivo do médico é buscar o melhor método que ofereça o melhor resultado estético. Isso ocorre principalmente em caso de tratamento cirúrgico, já que acarreta em uma cicatriz. Novamente o médico estuda a melhor forma de camuflar as cicatrizes nos relevos naturais da pele, para que o resultado da cirurgia fique pouco visível.

 

Qual é a indicação?

Como nem toda lesão de pele necessita uma retirada via cirurgia, o médico deverá analisar a lesão e verificar a possibilidade de recomendar um tratamento menos invasivo que uma cirurgia. Se realmente for necessário, a cirurgia será recomendada.

Para decidir pela cirurgia, o médico vai avaliar o tamanho da lesão, se é benigna ou maligna, se está crescendo rápido, se limita as funções do paciente, entre outros aspectos.

 

Importância da consulta médica:

A consulta médica é o momento propício para que todas as dúvidas sejam tiradas, todas as questões sejam expostas e metas realistas sejam traçadas. O sucesso também depende muito da sinceridade do paciente com o seu médico. Não omita nada. Aborde:

  • Há quanto tempo a lesão apareceu e o quanto cresceu nesse período;
  • Se há coceira, sangramento, líquido eliminado pela lesão;
  • Medicamentos que faz uso atualmente, homeopatia, uso de cigarro, de álcool e drogas;
  • Cirurgias já feitas;
  • Histórico de cicatrização na família
  • Possíveis alergias

 

Cirurgião plástico qualificado

Procure informar-se sobre a formação profissional do cirurgião plástico, principalmente se ele é qualificado para agir em tão tratamento. Uma pesquisa importante é saber se ele é especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

 

Riscos e benefícios

Após discutir as opções e metas realistas, o paciente se responsabiliza por decidir se quer conseguir os benefícios que o procedimento pode proporcionar. Também terá que decidir se os riscos são aceitáveis. Todas as opções serão explicadas em detalhes pelo cirurgião plástico e, ao final, o paciente deve assinar um termo de consentimento que assegura total compreensão dos riscos e das metas possíveis. Pode acontecer:

  • Hematomas
  • Dor
  • Sangramento
  • Cicatrização ruim
  • Perda parcial ou total de retalho ou enxerto
  • Vermelhidão
  •  Perda de sensibilidade
  • Recorrência da lesão
  • Reação alérgica aos produtos usados durante e depois da cirurgia
  • Necessidade de fazer nova cirurgia

 

Fases da cirurgia

 

Fase 1 – Anestesia
O tratamento pode ser realizado sob anestesia local e com sedativo para o paciente relaxar. Se o médico achar necessário, também pode usar anestesia geral.

 

Fase 2 – Cirurgia

Antes de marcar a cirurgia, o médico pode realizar uma biópsia, que é a retirada parcial da lesão, para estudá-la e definir qual deve ser a linha de atuação cirúrgica.

Dependendo da localização, do tamanho e do tipo de cirurgia, a remoção total pode ser realizada em um ou mais procedimentos. A reconstrução da área pode ser realizada em outro momento, dependendo do tamanho da área onde tiver sido retirada a lesão. Se for pequena, a cirurgia pode consistir na retirada da lesão e no fechamento da área de forma discreta. Em lesões grandes, pode ser necessário o uso de retalhos ou enxertos.

Quando a lesão for diagnosticada como maligna, é preciso ampliar a margem de retirada para conseguir uma retirada com zona clara, ou seja, sem doença residual no local. Ainda em caso de lesão maligna, o médico pode recomendar tratamentos complementares, como quimioterapia, radioterapia, ressecção de linfonodos e terapia fotodinâmica.

 

Resultado

 

Finalizada a cirurgia, o paciente vai ficar sob efeitos dos medicamentos administrados durante o procedimento, de acordo com o tipo de anestesia. O tempo de internação também varia de acordo o tipo de cirurgia realizada.

O local operado vai ficar sensível por um tempo, pode ocorrer eliminação de líquido da ferida e formação de casquinhas. A cicatrização pode demorar meses para ser concluída. O respeito ao repouso é fundamental, para que a cicatrização não seja forçada. A proteção solar deve ser realizada por toda a vida, principalmente no momento de cicatrização.

 

 

Acompanhante

De acordo com a técnica utilizada e a extensão da cirurgia, os movimentos do paciente podem ficar bem limitados e pode ocorrer a necessidade de acompanhante, pelo menos nas primeiras 24 horas após o procedimento.

 

Custo do procedimento

Ao decidir fazer um procedimento cosmético e escolher um cirurgião plástico, tenha em mente que a experiência dele tem um preço e esse é um investimento que deve valer à pena.

É proibida a divulgação de preço de procedimento médico pelo Código de Ética Médica. Duvide apenas de procedimentos com preço baixo demais. O valor é determinado pelos custos gerais que a cirurgia envolve, como:

  • Gastos com equipe médica (inclusive médico patologista;
  • Honorários do cirurgião;
  • Custo de medicamentos usados durante a cirurgia;
  • Exames realizados durante a cirurgia.

 

 

Guia de perguntas ao médico cirurgião:

  • Ele é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica
  • Se fez especialização em cirurgia plástica
  • Se tem licença da Vigilância Sanitária
  • Quantos treinamentos foram necessários passar até tirar a especialização
  • Qual o procedimento estético é recomendado
  • Como será feito o procedimento
  • Qual será o resultado
  • Opções caso fique insatisfeito com o procedimento
  • Se acontecerem complicações, como serão tratadas