Procedimentos


Mamas

Reconstrução Mamária

O que é?

A reconstrução da mama é um procedimento cirúrgico com o propósito de restaurar a forma, aparência e tamanho da mama após uma mastectomia. É realizada através de várias técnicas e geralmente é um procedimento gratificante física e emocionalmente para a paciente, após perder a mama em decorrência de um câncer ou outro fator. Como a perda de uma mama afeta a autoestima da mulher, a reconstrução é sempre bem vinda. O procedimento pode ser realizado junto com a mastectomia ou até que a paciente se recupere desse e de outros tratamentos adicionais do câncer. É fundamental que a paciente esteja pronta emocionalmente para a reconstrução da mama. Os resultados são variáveis, como:

  • A reconstrução pode ser feita através do uso de prótese ou gordura, retirada de outra parte do corpo, que por isso também vai receber uma intervenção cirúrgica. Geralmente é retirada gordura de regiões como abdômen, flancos ou glúteo;
  • A mama que recebeu a reconstrução dificilmente terá a mesma sensibilidade da mama que substituiu;
  • As cicatrizes podem ficar visíveis ou não. Depende dos locais onde o médico vai fazer as incisões;

 

Como geralmente só uma mama é afetada em caso de câncer, por exemplo, apenas ela será reconstruída. Para alcançar a simetria entre as duas mamas, outros procedimentos podem ser indicados, como redução ou aumento da mama.

Qual é a indicação?

A cirurgia para reconstrução da mama atende somente ao anseio da mulher que sofreu a perda da mama. A decisão de se submeter aos riscos e benefícios do procedimento compete somente a mulher.

Quem pode fazer a cirurgia:

  • Mulheres que tenham superado o choque com o diagnóstico e o tratamento,
  • Pessoas sem nenhuma doença grave que possa afetar a cicatrização;
  • Pessoas com metas coerentes e expectativas que podem ser alcançadas;

 

 

Importância da consulta médica:

A consulta médica é o momento propício para que todas as dúvidas sejam tiradas, todas as questões sejam expostas e metas realistas sejam traçadas. O sucesso também depende muito da sinceridade do paciente com o seu médico. Não omita nada. Aborde:

  • O motivo para querer fazer a cirurgia, o resultado desejado e as expectativas;
  • Condições de saúde, assim como tratamentos realizados no passado e alergias medicamentosas;
  • Medicamentos que faz uso atualmente, homeopatia, uso de cigarro, de álcool e drogas.
  • Opções para a reconstrução da mama;
  • Os possíveis resultados e riscos;
  • Procedimentos para a simetria das mamas;
  • Cirurgias anteriores.

 

O cirurgião pode querer:

  • Fazer uma avaliação do seu estado de saúde, dos fatores de risco e das condições que já existem;
  • Tirar fotos suas para adicionar ao prontuário médico;
  • Recomendar um tratamento e colocar em discussão suas opções;
  • Apresentar riscos, complicações que podem ocorrer e prováveis resultados.
  • Tirar medidas do tamanho e forma dos seios, assim como avaliar auréolas e mamilos.

Na cirurgia:

Na preparação, pode ser necessário:

 

  • Realizar exames laboratoriais e passar por uma avaliação médica;
  • Fazer ajustes nos medicamentos atuais e adicionar outros;
  • Suspender o uso de cigarro bem antes da cirurgia;
  • Suspender certos medicamentos que podem aumentar o sangramento, como medicamentos naturais, aspirina e anti-inflamatórios.

 

Instruções especiais

  • O médico vai orientar sobre atitudes que devem ser tomadas no dia anterior à cirurgia, como suspensão e uso de certos medicamentos, tempo de jejum e banho.
  • O médico vai explicar como será o uso da anestesia;
  • Também serão explicados os cuidados no pós-operatório.

 

Acompanhante

É necessário um acompanhante por, pelo menos, uma noite após o procedimento, para que seja realizado o mínimo de esforço possível.

 

Fases da cirurgia

Etapa 1 – Anestesia

A anestesia é administrada para garantir o máximo de conforto durante a cirurgia. Em relação à forma de administração, pode ser anestesia geral ou sedação intravenosa. O médico está capacitado para estudar a melhor opção para cada paciente.

Etapa 2 – Técnicas de retalhos com músculo, gordura e pele próprios da paciente para criar ou cobrir o local da mama

Como a mastectomia e o tratamento com radiação podem reduzir a quantidade de tecido no local, para sustentar o implante mamário pode ser necessário usar técnicas de retalho ou expansão de tecido. São essas as opções de técnicas de retalho:

  • Retalho TRAM – Com essa técnica, é usado gordura, pele do abdômen e doador músculo para a reconstrução. O retalho pode ser separado para formar a nova mama ou permanecer no suprimento sanguíneo original e ser tunelizado para que seja posicionado na caixa torácica.

 

  • Retalho DIEP ou SGAP – Essas técnicas usam tecido do tórax superior ou da nádega ao invés de músculo. O retalho do latissimus dorsi faz uso de músculo, gordura e pele tunelizados no local da mastectomia, permanecendo com o suprimento sanguíneo original.

 

Etapa 3 – Expansão da pele saudável para dar cobertura a um implante mamário

A reconstrução com expansão do tecido é uma opção melhor do que o uso dos retalhos, pois permite uma recuperação mais rápida. Apesar disso, a técnica necessita de vários retornos ao consultório, que duram entre quatro a seis meses, após a colocação do expansor, que será preenchido através de uma válvula interna que expande a pele. Outra cirurgia será preciso para fazer a substituição do expansor, que não pode ser usado para servir como implante permanente.

Etapa 4 – Colocação do implante mamário

Geralmente, o implante de silicone é usado como complemento ou alternativa para as técnicas de retalho. O cirurgião é capacitado para escolher a melhor opção de acordo com a situação de cada paciente.

Etapa 5 – Enxertos e demais técnicas especializadas para criar o mamilo e a aréola

Para finalizar, o mamilo e a auréola são reconstruídos. Existem várias técnicas disponíveis.

Resultados

Depois da cirurgia, serão colocados gazes, fitas, bandagem elástica ou sutiã no local, com o objetivo de minimizar o inchaço e sustentar a mama reconstruída. Um dreno também pode ser necessário para evitar o acúmulo de sangue e fluido debaixo da pele. O médico vai instruir como devem ser os cuidados com o curativo a fim de minimizar os riscos com infecção. A recuperação total ocorre após várias semanas, quando o inchaço diminui. É fundamental seguir as orientações médicas para que o resultado seja satisfatório.

Após um tempo, a sensibilidade na mama pode voltar, as cicatrizes vão melhorar e algumas mulheres podem ter algumas limitações. No entanto, a maioria das mulheres sente uma melhora significativa principalmente na autoestima. O monitoramento da mama através dos exames de imagens e do autoexame continua sendo fundamental para a manutenção da saúde da mulher.

Riscos e benefícios

Após discutir as opções e metas realistas, o paciente se responsabiliza por decidir se quer conseguir os benefícios que a cirurgia pode proporcionar. Também terá que decidir se os riscos são aceitáveis. Todas as opções serão explicadas em detalhes pelo cirurgião plástico e, ao final, o paciente deve assinar um termo de consentimento que assegura total compreensão dos riscos e das metas possíveis. Os principais riscos são:

 

  • Hemorragia;
  • Má cicatrização das incisões;
  • Riscos da anestesia;
  • Infecção;
  • Perda parcial e completa do tecido doado;
  • Perda de sensibilidade no local;
  • Rigidez da mama;
  • Ruptura do implante.

 

 

Pergunte ao médico

Todas as dúvidas devem ser feitas nas consultas que antecedem a cirurgia. É importante que o paciente não sinta vergonha em perguntar, nem omita qualquer informação do seu cirurgião. O sucesso da cirurgia depende também da confiança que um tem no outro.

Na alta médica

Se alguma complicação aguda for sentida, como falta de ar, dor profunda no peito ou batimentos cardíacos anormais, é preciso procurar um médico com urgência, que pode recomendar internação ou algum procedimento adicional. Com todos os benefícios que as cirurgias oferecem, os riscos existem e devem ser estudados.

Cuidados do paciente

O sucesso da cirurgia depende do conhecimento do médico e dos cuidados que o paciente deve ter antes e depois do procedimento. Ser zeloso, seguir as sugestões do médico e evitar esforços é fundamental no momento de cicatrização. Também é fundamental que use óculos escuros e se proteja do sol durante a recuperação.

Após a cirurgia, o médico vai orientar sobre como fazer uso dos medicamentos que vão ajudar na cicatrização e os cuidados que devem ter nos dias seguintes. Tudo para evitar o risco de infecção e para que a cirurgia seja superada o mais breve possível. Após o procedimento, pode ocorrer inchaço, hematomas, desconforto e até irritação local. Por isso, é fundamental seguir as orientações do médico.

Pergunte ao médico sobre a recuperação

  • Quando será permitido voltar para as atividades do cotidiano
  • Até quando deve ser tomada a medicação?
  • Como será o curativo após a cirurgia e quando ele será removido?
  • Quando deve retornar ao consultório para o médico conferir a recuperação?

Custo da cirurgia

Ao decidir fazer uma plástica e escolher um cirurgião plástico, tenha em mente que a experiência dele tem um preço e esse é um investimento que deve valer à pena.

É proibida a divulgação de preço de procedimento médico pelo Código de Ética Médica. Duvide apenas de procedimentos com preço baixo demais. O valor é determinado pelos custos gerais que a cirurgia envolve, como:

  • Gastos com equipe médica;
  • Honorários do cirurgião;
  • Custo de medicamentos usados durante a cirurgia;
  • Exames realizados durante a cirurgia.

 

Guia de perguntas ao médico cirurgião:

 

  • O médico é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica
  • Se fez especialização em cirurgia plástica
  • Se tem licença da Vigilância Sanitária
  • Quantos treinamentos foram necessários passar até tirar a especialização
  • Qual a técnica cirúrgica recomendada
  • Como será feito o procedimento
  • Qual será o resultado
  • Opções caso fique insatisfeito com o procedimento
  • Se acontecerem complicações, como serão tratadas